Marostica: belíssima cidade medieval da Itália

Esta viagem foi uma das mais emocionantes da minha vida! Como a cidade tem o nome da minha família, desde criança eu tinha o sonho de conhece-la. Este sonho demorou, mas chegou!

Fazendo apenas uma observação antes de começar o post. Meu sobrenome aqui no Brasil é escrito Maróstica, com acento. Na Itália, Marostica não tem acento. A pronúncia é a mesma.

 

Então vamos lá!
Marostica é uma pequena comuna (município) da região de Vêneto, província de Vincenza. Conversei com alguns habitantes de lá e me informaram que atualmente Marostica possui menos de 10 mil habitantes. O evento mais conhecido em Marostica é a partida de xadrez com pessoas fazendo o papel das peças do jogo.
Estávamos hospedados em Veneza. As opções para ir de Veneza a Marostica são carro, ônibus ou trem. Ficamos com  receio de ir de carro, por não conhecer a região. Os ônibus tinham horários diferentes que não se encaixavam no nosso planejamento. Optamos pelo trem.
Marostica não possui estação de trem por isso é preciso descer na cidade de Bassano Del Grappa, cidade vizinha. Pegamos o trem na estação Veneza Santa Lucia. Compramos o bilhete na bilheteria expressa da Trenitalia, quase na hora da saída do trem. O valor para dois adultos, ida e volta, custou 10,50 euros.

O trem é confortável e o trajeto dura cerca de 1 hora. O percurso é bastante agradável e com uma vista maravilhosa da região.

 










Chegando em Bassano Del Grappa tomamos um táxi e em 10 minutos já estávamos em Marostica. O taxista nos deixou no alto da colina onde fica o castelo superior.

A vista lá de cima é maravilhosa.

 

Esta construção em estilo medieval é composta pelo castelo superior e pelo castelo inferior, rodeados por uma grande muralha. O castelo superior possui quatro torres nas laterais e uma grande torre central. Segundo documentos históricos a construção dos castelos foi iniciada em 1312. A muralha foi construída alguns anos depois, em 1372.

 

 

 

 

 

 

 

É possível chegar ao castelo superior de carro ou a pé. Como já disse no início, o taxista nos deixou no castelo superior, mas o percurso de descida fizemos a pé. O local é bem sinalizado e possui alguns banquinhos no caminho, para quem quiser parar um pouco para descansar.



Chegando lá embaixo, passamos por mais alguns pontos importantes da cidade.







Chegando na Piazza degli Scacchi encontramos o grande tabuleiro de xadrez pintado no chão, em frente ao castelo inferior.

 

Todo domingo acontece uma feira de antiguidades na praça. Por isso não dá para ver o tabuleiro muito bem. 
Retirei a foto abaixo no site www.veneto.eu, para que vocês tenham uma visão melhor do castelo inferior e do tabuleiro de xadrez.
Na praça existem diversos restaurantes. Escolhemos o L’Angelo e il Diavolo Ristorante, onde fomos muito bem atendidos.

Pedi uma pizza individual. Olha o tamanho dela!!!

A pizza não vem cortada e eles não trazem talheres. É para rasgar a pizza e comer com a mão.
Então é só por a mão literalmente na massa, e agir como um italiano!




O próprio Roberto APO Ambrosi, cantor e dono do restaurante, veio até nossa mesa quando soube que éramos brasileiros de São Paulo. Ele nos contou que já tinha estado na nossa cidade. Até nos mostrou uma recordação que havia trazido de um restaurante de São Paulo.  Seu filho Lorenzo Ambrosi, também trabalha no restaurante e foi o herói da nossa visita a Marostica. No final do post vou contar porque.

Mais algumas fotos da Piazza degli Scacchi


Marostica também é famosa pelas suas cerejas. Nos meses de maio e junho acontece o festival da cereja. Nossa visita aconteceu em um domingo. Por isso muitas lojas estavam fechadas. Com sorte consegui encontrar este lindo prato de souvenir.

O evento mais importante da cidade acontece no mês de setembro, a cada dois anos. Sempre nos anos pares. Os participantes se vestem com trajes tradicionais e representam as peças do jogo de xadrez. Até os cavalos são reais também.
Segundo relatos, a origem dessa tradição vem do ano 1454 quando dois nobres guerreiros se apaixonaram pela mesma mulher. Para conquistá-la duelaram, como de costume para a época. Mas o pai da moça não queria tornar-se inimigo do perdedor da disputa e também não queria que alguém morresse por isso. Propôs então que os guerreiros se enfrentassem em uma partida de xadrez e ofereceu a mão da outra filha para quem perdesse o desafio. Decidiu também que a partida seria disputada com soldados, cavalos, rei e a rainha verdadeiros.
 Mais algumas fotos da cidade






Depois de passar um dia muito agradável em Marostica, já era hora de partir. Como contei  no começo do post, compramos nossas passagens de ida e volta. Nosso trem para Veneza sairia da cidade vizinha. 
Saímos então a procura de um táxi. Andamos, andamos, andamos e nada. Localizamos um ponto de ônibus, mas o próximo ônibus para Bassano Del Grappa, não sairia a tempo de tomarmos nosso trem. Andamos mais um pouco e avistamos um hotel.
Ufa…. um hotel sempre tem taxistas a disposição.
Entramos e perguntamos ao senhor que estava na recepção: Onde podemos pegar um táxi? A resposta que ele deu foi inacreditável:
“Em Marostica não tem taxistas, pois aqui todos tem carro”
É isso mesmo produção?
E agora???
Nessa hora bateu uma preocupação…. O Alan sentou para descansar um pouco, imaginando ter que ir a pé, até Bassano Del Grappa.
Pensamos um pouco e decidimos voltar até o restaurante onde almoçamos. O Roberto Ambrosi, já tinha saído, mas seu filho Lorenzo estava lá e prontamente nos ajudou. Ele ligou para algumas pessoas e conseguiu o contato com o taxista de outra cidade, que estava disposto a vir até Marostica buscar dois brasileiros atrapalhados. Acabou terminando tudo bem!
Jamais imaginaria que em alguma cidade do mundo, não existissem taxistas!

Fechando o post de hoje, Marostica é uma cidade pequena, mas muito acolhedora. Seus habitantes são muito simpáticos. Vale muito a pena conhecer!

Fique de olho:

  • Se for de trem, combine antecipadamente com o taxista da cidade vizinha, o horário para buscá-lo em Marostica;
  • De domingo muitas lojas estão fechadas. Se fizer questão de fazer compras, vá outro dia da semana ou fique hospedado em Marostica por alguns dias;

 

  • Não deixe de subir na colina e conhecer o castelo superior. A vista de lá é fantástica!

 

 

__________________________________________

Dedico este post ao meu pai Alberto Maróstica (In memoriam)




Alessandra Maróstica

Mãe, esposa, paulistana (da Mooca), fisioterapeuta, pianista e travelholic. Apaixonada por fotografia, gastronomia e por viver experiências culturais diferentes. Visitou 16 países e está sempre em busca do próximo destino.

24 comentários em “Marostica: belíssima cidade medieval da Itália

  • 26 de abril de 2015 em 21:14
    Permalink

    Lindo! Meu sonho é conhecer este lugar!

  • 26 de abril de 2015 em 22:04
    Permalink

    Ótimas dicas. Muito bom!

  • 22 de maio de 2016 em 13:40
    Permalink

    Relato muito simpático, obrigada!

    • 23 de maio de 2016 em 11:58
      Permalink

      Fico feliz que tenha gostado! Obrigada por visitar o blog!

  • 28 de maio de 2016 em 00:32
    Permalink

    minha avó por parte de pai, veio aos 15 anos da italia e o sobre nome dela é Maróstica! no brasil se perdeu de seus irmãos!!!

    • 28 de maio de 2016 em 10:56
      Permalink

      Que interessante saber que sua avó também é Maróstica! Eu estou tentando há anos conseguir mais informações de qual antepassado italiano veio para o Brasil, mas não consegui muita coisa… O meu sobrenome Maróstica veio do meu avô paterno, mas ele já nasceu no Brasil. Como ele morreu faz muitos anos, as informações se perderam no tempo. Eu sei que tem família Maróstica em São Paulo capital, em São Bernardo do Campo e em Terra Roxa, no interior de São Paulo. Se você quiser, podemos trocar mais informações!!!

  • 29 de maio de 2016 em 16:14
    Permalink

    Olá Ale , Boa Tarde ! Minha esposa também é de sobrenome Maróstica filha de Alberto Luis Maróstica [in memorian ] seu pai nasceu na linha JoséJulio interior de Bento Gonçalves, hoje município de Santa Tereza no Rio Grande do Sul. Seu avô Vitório Marostica . Gostaria de saber onde você mora ,de onde vieram seu pai, seu avô …? O nome da minha esposa é Ines Maróstica ,nascida na linha Santa Barbara no município de Monte Belo do Sul também próximo a Bento Gonçalves -RS. Se você quiser,podemos trocar mais informações . Desde já agradeço. Rudimar Postingher de Garibaldi -RS

    • 30 de maio de 2016 em 11:14
      Permalink

      Olá, tudo bem? Que legal conhecer mais Marósticas no Brasil! Minha família é de São Paulo, capital. Nasci aqui e moro aqui até hoje. Meu pai também nasceu aqui e o pai dele nasceu em Ribeirão Preto, interior de São Paulo. Mas nunca soubemos muita coisa sobre os antepassados italianos, pois meu avô morreu quando meu pai ainda era uma criança. Então meu pai não soube me dar mais informações. Infelizmente meu pai também já faleceu. Como ele era filho único, as informações se perderam no tempo… Meu avô se chamava André Maróstica e o pai dele era Antonio Maróstica. Procurei nos arquivos de imigração que existem na internet e tem muitos “Antonios” Maróstica. Aí ficou difícil para saber qual seria o meu bisavô. Esta é a primeira vez que fico sabendo de Marósticas fora do Estado de São Paulo. Se eu conseguir mais alguma informação vou te passar! Obrigada pela mensagem!!!

  • 31 de maio de 2016 em 23:07
    Permalink

    Agradeço muito pelas suas informações à respeito de sua família,pena que você não tem melhores detalhes quanto a origem de seu bisavô.Ficamos felizes em saber que tem gente com sobrenome Maróstica no estado de São Paulo,já morei em SÃO PAULO na Congregação dos Paulinos [Livraria PAULUS] em 1983 como seminarista próximo a cidade de OSASCO ,já faz muito tempo.Conte conosco para mais detalhes sobre sua descendencia ,estaremos a sua disposição no que estiver ao nosso alcance. Um forte abraço e um “quebra-costela” bem GAÚ CHO tchê ! Rudimar.

    • 31 de maio de 2016 em 23:22
      Permalink

      Gostamos das suas fotos em sua viagem á cidade de Maróstica na Itália; deve ser emocionante pisar na terra de onde vieram seus antepassados e ver belas paisagens e construções centenárias e muito bem conservadas , um sonho poder visitar estas regiões muito ricas em histórias , os castelos ,restaurantes,saborear uma pizza autêntica italiana. Quem sabe um dia também possamos conhecer pessoalmente … Parabéns por este privilégio. UM ABRAÇO !

    • 3 de junho de 2016 em 13:21
      Permalink

      Eu também fiquei super feliz de saber dos Marósticas do Rio Grande do Sul! Obrigada por compartilhar a informação comigo!!! Estou sempre em busca de informações de antepassados. Se souber de alguma novidade te falo. Um abração diretamente da Terra da Garoa!!!

  • 1 de outubro de 2016 em 15:40
    Permalink

    Alo Rudimar e Alessandra! Também sou Maróstica! Descendente de Luiggi Maróstica que imigrou, mas foi registrado como Luiz nos livros de imigrantes… Meu pai Álvaro e meu tio Arildo tem mais informações sobre minha árvore genealógica. Sei que vieram 3 irmãos imigrantes, um foi meu tataravo Luiggi, o outro foi pra regiao de terra Roxa e o outro pra região de Ribeirão preto… Tem uma prima do meu pai que sabe tudo de tudo…ela que estava cuidando das documentações para al últimas gerações previstas em lei tirarem cidadania italiana.
    Qq duvida entre em contato por email.
    Moro em São Paulo também.
    Grande beijo

    • 4 de outubro de 2016 em 21:35
      Permalink

      Olá Gabriella! Adorei sua mensagem! Aos poucos vamos juntando as peças do quebra-cabeça. Que interessante… meu avô nasceu em Ribeirão Preto. Quando meu pai ainda estava vivo, costumávamos visitar parentes na cidade de Americana. Mas eu era criança e não sei nem o nome destes familiares. Muito obrigada por mandar a mensagem! Vou tentar levantar mais algum dado importante e qualquer coisa te mando um e-mail. Um beijo, Alessandra.

  • 12 de março de 2017 em 22:51
    Permalink

    Boa noite, tbm sou de familia Marostica sou de Erechim RS, meus avos paternos vieram da Itália sou neta de Vitório Marostica e Elisa Marostica meu pai se chama Andrea Marostica. Eu me chamo Amir Marostica. Bom saber um pouco desse lugar que tenho muita curiosidade em conhecer.

  • 24 de março de 2017 em 17:20
    Permalink

    Que legal que deve ter sido essa viagem!!! E pelo que vi pelo post, a minha teoria continua certa: todas as cidadezinhas da Itália são fofas e charmosas… Dá vontade de conhecer todas, kkk

  • 24 de março de 2017 em 17:32
    Permalink

    Que demais! Deve ter sido realmente memorável! Imagino a emoção de estar na cidade com meu sobre nome! 😉 E que cidadezinha encantadora eim! sensacional!

  • 24 de março de 2017 em 18:13
    Permalink

    Que cidade interessante! E para você deve ter tido um gostinho muito especial!

  • 24 de março de 2017 em 18:55
    Permalink

    Que cidade fofa!!! Não conheço,mas já estou colocando na lista! rs Tenho uma amiga da faculdade com sobrenome “Maróstica” – vou manda o post pra ela!

  • 24 de março de 2017 em 19:07
    Permalink

    Que cidade mais adoravel, amei conhecer! nunca tinha ouvido falar. Imagino a sua emoção mesmo de conhecer, já que você tem toda essa conexão e carrega o nome com você, que demais!

  • 24 de março de 2017 em 20:36
    Permalink

    Que máximo! Tipo eu conhecendo “Mariana” hahah Mas Marostica tem todo esse charme das cidades italianas, né. Muito lindinha. Deve ter sido uma experiência e tanto!

  • 25 de março de 2017 em 10:46
    Permalink

    Deve ter sido uma experiência incrível conhecer um pouco da cidade que você tem o sobrenome, que demais! Achei incrível as fotos e a história a respeito da partida de xadrez real, fico encantada com essas tradições da Itália, e sempre tive o sonho de conhecer o país, sou descendente de italianos e sempre achei que me falta conhecer um pouco nossas raízes, amei tudo e já salvei de dica, alugar um carro se for à Maróstica haha!
    Abraços.

  • 25 de março de 2017 em 17:50
    Permalink

    A Itália é tudo de bom né? E esta cidadezinha parece um encanto! É tão bom quando vamos a um lugar que estamos morrendo de vontade, né? Boa dica!

  • 27 de março de 2017 em 01:03
    Permalink

    Que legal visitar uma cidade com seu sobrenome, deve ser bem especial e ainda bem que conseguiram ajuda com o táxi.

  • 27 de março de 2017 em 11:26
    Permalink

    Alê, que fantástico conhecer a cidade do seu nome. Deve ter sido muito emocionante. E o passeio foi demais, parabéns!

Os comentários estão desativados.